Casa própria com juros mais baixos | Blog MRV Engenharia

Encontre seu imóvel

Casa própria com juros mais baixos

04 dezembro 2008

Brasileiros com renda de até R$ 2 mil vão poder contratar financiamentos com juros de 5% ao ano. Caixa bate recorde.

Os interessados na compra da casa própria que ganham até R$ 2 mil mensais podem comemorar uma das boas notícias divulgadas ontem pela Caixa Econômica Federal. A taxa de juros para trabalhadores que recebem dentro dessa faixa salarial vai ser limitada a 5% ao ano mais Taxa Referencial (TR), em empréstimos habitacionais com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), a partir de 2009. Hoje, a taxa é de 6% ao ano mais TR. A medida vale para imóveis avaliados em até R$ 80 mil. Para Teodomiro Diniz Camargos, presidente da Câmara da Indústria da Construção da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), a ação é muito importante e vai beneficiar exatamente a parcela da população que tem mais dificuldade de acesso à casa própria. "A grande maioria das pessoas se concentra na faixa de um a três salários mínimos e são consumidores que precisam de juros baixos, prazos longos e parcelas que caibam no salário. Essa é uma medida muito acertada", avalia.

Outra boa notícia é destinada às construtoras. O Conselho Curador do FGTS aprovou uma linha de crédito de R$ 3 bilhões para as empresas no próximo ano por meio da compra de debêntures (títulos emitidos pelas construtoras) ou cotas de fundos imobiliários que vierem a ser criados pelas construtoras como forma de repassar os empréstimos. Esse montante de R$ 3 bilhões também é o valor que a Caixa Econômica Federal detém para operações de capital de giro, cujos primeiros contratos já foram assinados para empresas do ramo. "Essa irrigação do mercado é muito positiva, pois existe uma grande carência por crédito", ressalta Diniz Camargos.

O crédito também secou mundialmente, mas não foi suficiente para impedir que a Caixa batesse mais um recorde no financiamento habitacional. A instituição financeira anunciou ontem que, até 28 de novembro, já foram assinados 446 mil contratos, totalizando a liberação de R$ 20,4 bilhões. O resultado representa uma elevação de 60% em relação aos R$ 12,7 bilhões alcançados em 2007.

O anúncio foi comemorado. "Já é uma ótima notícia para tranqüilizar o setor, principalmente aqueles construtores que têm como público alvo consumidores que dependem do crédito", avalia André de Sousa Lima Campos, diretor de programas habitacionais do Sindicato das Indústrias da Construção Civil de Minas Gerais (Sinduscon-MG). Para ele, o resultado reflete o crescimento do setor nos últimos anos. "A crise vem aumentando nos últimos meses, mas o aquecimento ocorre desde o ano passado", explica. "A Caixa mantém a linha de crédito e os juros, diferentemente de outros bancos e a expectativa é de que o cenário de expansão de crédito imobiliário continue", acrescenta.

A Caixa já divulgou que, para 2009, as metas serão superiores a este ano, justamente devido à manutenção dos prazos e taxas de juros para financiamento. "Isso sinaliza que vai ter crédito, sem o qual não existe mercado. É um grande estímulo para as empresas e uma forma de compensar a forte retração de crédito apresentada por bancos privados", afirma Diniz Camargos. Ainda este ano, a instituição financeira espera atingir 500 mil contratos, com injeção de R$ 22,8 bilhões. "A Caixa mantém todos os sinais de que vai continuar oferecendo crédito ao cliente final sem mudanças de condições. Além disso, o governo já sinalizou que o setor é importante na geração de emprego, que pode alavancar a economia nesse momento de crise, portanto as medidas e recursos do governo devem continuar", ressalta Campos. (Com agências)

TORNEIRA ABERTA
Recursos liberados pela Caixa para casa própria

Financiamento habitacional, até 28 de novembro
446 mil contratos
R$ 20,4 bilhões
Alta de 60%*

Empréstimos com recursos da caderneta de poupança
Mais de R$ 9,3 bilhões
Alta de 76%**

Empréstimo com recursos do FGTS
R$ 10,2 bilhões
Alta de 60%**

*Em relação ao mesmo período de 2007 ** Em relação a 2007

Fonte: Estado de Minas / Por Paula Takahashi / 03/12/2008

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório