Sofá é peça-chave na decoração | Blog MRV Engenharia

Encontre seu imóvel

Sofá é peça-chave na decoração

22 julho 2012

Arquiteta dá dicas da melhor maneira de adequar a peça ao estilo de quem irá usá-la



Colorido, claro, escuro, de couro, veludo, grande ou pequeno, o sofá ganha cada vez mais versatilidade e estilo, tudo para manter o posto de peça-chave na decoração. Quem não gosta em chegar em casa, após um dia cansativo de trabalho, e ver a sua frente um sofá confortável e convidativo?

A arquiteta Andréa Parreira explica que qualquer que seja o tamanho do espaço ou o tipo do imóvel, residencial ou comercial, o segredo é adequar a peça ao estilo daqueles que vão usá-la. “Cada ambiente tem um móvel ou objeto decorativo que é o carro-chefe e ganha a atenção de quem chega ali pela primeira vez”, explica a arquiteta. Nos dormitórios, as cabeceiras têm recebido destaque, enquanto na sala de jantar, além da mesa e das cadeiras, as luminárias começam a ganhar mais destaque. Na cozinha, não só os equipamentos, que sem dúvida detêm importância, cedem aos olhares, mas também a marcenaria, que acolhe e organiza todos os utensílios.

Já no living ou na sala de televisão, não há concorrente que seja tão popular quanto o sofá”, declara Andréa ao explicar que apesar de, algumas vezes, a peça dividir os ‘flashs’ com estantes e nichos personalizados. Os sofás são o ponto de destaque do ambiente, já que recebem toda atenção dos visitantes.


Atualmente, os tipos que mais agradam são aqueles com linhas retas e aspecto amplo”, diz a arquiteta. Uma boa dica para escolher o sofá ideal é levar em conta se a peça é reclinável ou extensível, já que esta característica faz toda a diferença na hora de escolher a mesa de centro correta. “Para apartamentos pequenos, o ideal é optar por mesas laterais, que não atrapalham na movimentação do ambiente”, aconselha Andréa.

Segundo Andréa Parreira, são os grandões os novos queridinhos de todos e a escolha do sofá não tem se dado tanto pelo tamanho da família, mas pelo tecido. “Os panos finos e requintados perdem a batalha para os aconchegantes. O que se quer hoje em dia é, cada vez mais, conforto, e com os modelos e formas cada vez mais inusitados, isto vem junto com a sofisticação. Por enquanto, não há concorrente à altura para eles”, finaliza.

Fonte: Estado de Minas / Foto: Eduardo Almeida/RA Studio

Deixe seu comentário *Campos de preenchimento obrigatório